Número 302 - Ano 12

São Paulo, quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

poesia.net header

«Por que chora o homem? / Que choro compensa / o mal de ser homem?» (Carlos Drummond de Andrade) *

Donizete Galvão (1955-2014)
Donizete Galvão



Caros amigos,


Este é o primeiro poesia.net de 2014. Normalmente, nas edições de retorno das férias, procuro sempre um poeta forte, para começar o ano em grande estilo.

Desta vez, esse princípio se mantém. Contudo, o espírito não é bem de celebração, mas de saudade. Perdemos, no dia 30 de janeiro, o poeta e amigo Donizete Galvão, desaparecido subitamente aos 58 anos.

Nascido em 1955, em Borda da Mata, no sul mineiro, Donizete estudou administração de empresas em Santa Rita do Sapucaí, MG, e mudou-se para São Paulo no final dos anos 70. Na capital paulista, estudou jornalismo da Faculdade Cásper Líbero e trabalhou durante mais de duas décadas na Editora Abril, como jornalista e redator publicitário.

Sua obra poética compreende oito títulos publicados — a rigor, sete e meio, já que um dos livros foi escrito em parceria. Estreou em 1988, com Azul Navalha, que conquistou o prêmio de autor-revelação da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) e indicação para o Prêmio Jabuti. Vieram em seguida As Faces do Rio (1191), Do Silêncio da Pedra (1996) e A Carne e o Tempo (1997). Este também foi indicado para os prêmios Jabuti e Ciudad de Madrid.

Seguem-se Ruminações (1999), Pelo Corpo (2002), em parceria com Ronald Polito, Mundo Mudo (2003) e O Homem Inacabado (2010). Além dos sete e meio, como diria Fellini, Donizete Galvão escreveu dois livros infantis, O Sapo Apaixonado (2007), ficção, e Mania de Bicho (2009), poesia. No mais, publicou poemas em periódicos e participou de um bom número de antologias, algumas no exterior.


                      •o•

Para compor a miniantologia ao lado, reli todos os sete e meio livros do poeta e fiz questão de incluir pelo menos um poema de cada um deles. Foi uma tarefa duplamente difícil. Primeiro, porque não é trivial reler os escritos de um amigo recém-desaparecido. Depois, pela seleção em si. No final, fiquei com 12 poemas. Donizete Galvão, vale lembrar, já esteve aqui, nas edições número 19 e número 236.

Havia também a restrição de não repetir poemas já publicados no boletim. Mesmo assim, decidi republicar o poema “Escoiceados”, que abre o livro Ruminações. Já analisado por críticos e acadêmicos, esse texto é uma referência icônica à poesia do autor e também ao jeito de ser do homem Donizete. Ali ele mostra sua origem, de menino criado em sítio e sua concepção de mundo.

                     •o•

Donizete Galvão nunca se envolveu profundamente com a cidade grande. Com aguçado senso crítico, ele mineiramente encarnava e adaptava, cerca de cinquenta anos depois, o espírito presente nos versos de Drummond: “No elevador penso na roça, / na roça penso no elevador”. Na cidade, ele cultivou amigos — muitos —, mas intimamente nela enxergava tragédias. Isso é perceptível desde seu primeiro livro, onde está o poema "Cidade": a grande urbe, para ele, é um “blues de impossibilidades”, “mundo artificial com sua natureza de néon”, onde “nada de eterno palpita”.

O mesmo tom vai aparecer no poema “A Cidade no Corpo”, da coletânea Pelo Corpo, publicada em parceria com o também mineiro Ronald Polito. Aí, sempre contundente, ele diz: “A cidade perfura / o corpo / até a medula”. E conclui com esta afirmação doída: “Esta cidade: minha cela. / Habita em mim / sem que eu habite nela”.

Nostálgico, o mineiro Drummond registrou algo como: saí de Minas, mas Minas nunca saiu de mim. Donizete constrói uma espécie de antítese a isso. A contragosto, reconhece que a metrópole está dentro dele, mas recusa-se a aceitá-la. Vale observar que este segundo poema foi publicado 14 anos depois do primeiro. Significa que o sentimento de mal-estar urbano não arrefeceu com o tempo.

O olhar do poeta registra de várias formas esse mal-estar. Conheço a história do último poema ao lado, “O Asfalto, Enfim”. O poeta me mostrou o texto e comentou sobre ele antes de ser publicado. Em 2004, todos os jornais e TVs deram, e vocês devem lembrar-se: houve um confronto armado na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro. Como resultado, um homem morto foi fotografado quando era transportado num carrinho de mão. Era um rapaz de 20 anos. Impressionado com a história, Donizete escreveu o poema. "Morte de cabeça para baixo / como deveria ter sido a vida / inteira".

Incluí o texto na seleção como uma referência. Observador do mundo, Donizete escreveu sobre muitos personagens comuns, como a mulher que ganhou os peixes na Sexta-Feira Santa; a “exilada” que faz tricô e insiste em dizer que não é daqui (“Sou de Aracaju, Sergipe”); os artistas de circo: “Anaïs, índia guarani, que é exímia equilibrista / Carece de vitaminas e de ir urgente ao dentista”.


                     •o•


Escolhi o poema “Nina Simone”, do livro As Faces do Rio, porque sei da verdadeira devoção que Donizete cultivava por essa cantora negra americana de jazz e blues. Em ordem cronológica, esse é apenas o primeiro texto que fala dela. Outros viriam. Nos versos, ele tenta, por vários ângulos, descrever a voz dessa mulher que, além de intérprete magnífica, foi tenaz lutadora pelos direitos civis. “Voz de soda cáustica / roendo a carne / até cavar um fosso”.

Sensível à música popular, Donizete Galvão era também um entusiasta das artes plásticas. Em mais de um de seus poemas, aparecem pintores que ele admirava, como o suíço-alemão Paul Klee e o russo Wassily Kandinsky. O poema “Quarteto em K”, do livro A Carne e o Tempo, começa com os seguintes versos: “Kandinsky, Klee, Klein, Kapoor: / quarteto com um quê de sagrado / nos seus reinos de cabala da cor”.

Não se deduza, pela Nina Simone e pelo Quarteto em K, que o poeta não se interessasse por arte brasileira. Ao contrário: ele mantinha constante diálogo com pintores daqui, entre os quais fez vários amigos. Na página seguinte à que contém o poema aos quatro K, por exemplo, encontra-se o poema “Grafito para Renina Katz”, a gravurista carioca. Algumas páginas mais à frente, vem o poema “Mestre Didi”, sobre o artista popular e sacerdote baiano na tradição nagô do candomblé. Diz o texto: “mestre Didi faz da natureza /objetos de intricado relicário, / expõe com palhas, cauris e cor / a entranha, a treva, o sacrário”.

Apesar disso, nos doze poemas ao lado, não incluí nenhum dos textos em que Donizete toma como tema as artes plásticas. Mas, como homenagem, escolhi, para ilustrar este boletim, telas de Paul Klee, um de seus pintores favoritos.


                     •o•


No livro Mundo Mudo, nessa leitura que fiz agora, impressionou-me a, digamos, premonição que tinha o poeta sobre a morte. Leia os poemas “Visita” e “Outra Aurora”. Primeiro, é uma visita que vai chegar e cobrir o anfitrião “com o bálsamo branco / do silêncio”. Mais adiante, vem a aurora. “Toda crispação do corpo chega ao fim. / Virá, / virá a aurora. / Não mais para mim”.

                     •o•


Chegamos ao último livro do poeta, O Homem Inacabado. Tenho a impressão de que nessa obra ele confirma e arremata todos os principais traços de sua trajetória como homem e poeta. Em “Resposta” e “Vida Minúscula”, o que vemos é a sistemática  confirmação da origem. É o estranhamento do menino do interior num mundo que só se equaciona em cidades cada vez mais maiores. “Resposta” é mais íntimo: explica, talvez, o modo de ser do poeta. “Na infância, o que se grava na carne permanece. / (...) Aprende-se a viver inacabado, / a esconder, constrangido, o corpo / nas penumbras”. Versos pungentes.

O outro texto, “Vida Minúscula”, mostra que o poeta se acredita um ser estranho, inclusive na arte e da poesia. Conforme o texto, “para quem nasceu destinado / à terra / à enxada” e descobre a língua e os livros, cria-se uma espécie de contradição irreconciliável. A pessoa se torna um ser extraviado, vagando num mundo “que sempre lhe será estranho”.

                     •o•


Mas, afinal, o que desejava o poeta? Ser pedra e, ao contrário da volatilidade da vida na cidade, ter o duro desejo de durar. Isso ele próprio diz sobre o livro Do Silêncio da Pedra, uma expressão tomada por empréstimo de Rilke.

Se o desejo é ser pedra, e durar,
não tenho dúvida de que a lembrança de Donizete Galvão e, mais ainda, seus versos vão permanecer muito tempo.


                     •o•


Uma das características fundamentais da pessoa do poeta era o dom de cultivar amizades. Todos os que com ele conviveram ressaltam isso, mesmo os que só o conheceram virtualmente, por e-mail ou, mais recentemente, pelo Facebook. Humberto Werneck o chama de "artista do convívio" e "agregador de afetos". Tarso de Melo o classifica como "o poeta do desconforto", embora capaz de propiciar conforto aos outros, o tempo todo. E Guilherme Gontijo Flores resume tudo:  "Muitas vezes o melhor, em literatura, é ficar sem conhecer as pessoas, porque em geral o homem decepciona, está sempre aquém da obra. O Donizete não".

Não são poucos os amigos a fazer esse tipo de consideração. Reuni, num boletim complementar, uma seleção de poemas e crônicas, nos quais amigos falam sobre a figura do poeta e de sua poesia.

Clique aqui para ver o poesia.net n. 302-A, com esses textos.

                     •o•

Que nosso amigo descanse em paz.

Mas certamente, por muito tempo, continuaremos a registar suas presença em nossas vidas. Espero também que quem não deu a devida atenção ao artista enquanto vivo — editoras, imprensa, autoridades culturais — perceba agora (antes tarde do que nunca) a importância do trabalho desse poeta.

Obrigado, Doni. Pela poesia, pela amizade, pela lição de humildade.


Carlos Machado


                     •o•

 


DONIZETE NA TV CULTURA

Veja um vídeo com Donizete Galvão lendo versos e falando sobre sua poesia, numa entrevista à TV Cultura de São Paulo, gravado em 1999:

Donizete - TV Cultura

Um mestre do convívio

Donizete Galvão

 

 


--------------------------------
De Azul Navalha (1988)  
--------------------------------


CIDADE

ó blues de cruciais impossibilidades
           dores de amores inexistentes
rosas amarelas mortas no apartamento
           beijos e saliva nas tardes desérticas

ó visão depressiva do asfalto molhado
           prédios encardidos & a horda dos bárbaros
arquitetura de guerra de dias provisórios
           espelho poluído da cidade da chuva

ó mundo artificial com sua natureza de néon
           espetáculo de vitrines e exibições
nada de eterno palpita no seu coração
           tudo já nasce velho para ser refeito amanhã

 

Paul Klee - Paisagem Dramática, 1928
Paul Klee, Paisagem Dramática (1928)




-----------------------------------
De As Faces do Rio (1990)
-----------------------------------


NINA SIMONE

Voz de taturana
que deixa um rastro de fogo
por onde passa.
Voz de soda cáustica
roendo a carne
até cavar um fosso.
Voz púrpura
das cinco chagas
da paixão.
Voz de aço
temperado com bourbon.
Voz de avatar,
de deus Vishnu,
de San Juan de la Cruz
cantando blues.
Voz de negra veia,
voz de lobisomem
uivando para a lua cheia.



Paul Klee - Angelus Novus (1920)
Paul Klee, Angelus Novus (1920)



-----------------------------------------
De Do Silêncio da Pedra (1996)
-----------------------------------------


SILÊNCIO

De pedra ser.
Da pedra ter
o duro desejo de durar
Passem as legiões
com seus ossos expostos.
Chorem os velhos
com casacos de naftalina.
A nave branca chega ao porto
e tinge de vinho o azul do mar.
O maciço de rocha,
de costas para a cidade
sete vezes destruída,
celebra o silêncio.
A pedra cala
o que nela dói.




Paul Klee, Flora na Areia (1927)
Paul Klee, Flora na Areia (1927)


---------------------------------------
De A Carne e o Tempo (1997)
---------------------------------------


SEGUNDA MEDITAÇÃO DA CARNE

Véu de penugem,
que se ergue
ao balançar dos lençóis.
Corpo nu, iluminado
pela réstia de luz
que vara o quarto.
Desenho de ancas,
fluidez das pernas,
cálido hálito de boca
entreaberta.
Inda que imperfeita,
quem sabe por isso mesmo,
sua figura de mulher
resplandece como pera madura.
De onde flui este desejo
que dói como fratura exposta?
A alma quer mais do corpo.
Quer que ele se gaste.
Quer que definhe,
sem nada que lhe baste.
Quer que se desespere
por nunca estar saciado.
Quer que ele procure em vão,
sem encontrar a resposta.

LIÇÕES DA NOITE

Antes de sair de casa,
mesmo com o sol ainda alto,
convém preparar
                         a lamparina.
Enchê-la de querosene,
subir-lhe um tanto o pavio
e deixá-la bem perto da porta.

Antes de se ir para a cama,
todo cuidado é pouco:
há que apagar
                         a lamparina.
Sua fumaça desenha abstrações
que marcam a cal da parede
e tingem de negro nossas narinas.

Quando a luz é precária
e as sombras têm poderes,
tateia-se pela casa a buscar
                                        a lamparina.
A brevidade de sua chama
e a baixa luz com que nos ilumina
lembram-nos de que a noite é nossa sina.




Paul Klee, Jardins do Sul (1921)
Paul Klee, Jardins do Sul (1921)



------------------------------
De Ruminações (1999)
------------------------------

ESCOICEADOS

Meu pai e eu 
nunca subimos 
num alazão 
que galopasse 
ao vento. 
Tínhamos 
um burro 
cinza malhado: 
o Ligeiro. 
Foi apanhado 
de um conhecido 
por ninharia. 
Chegou com fama 
de sistemático, 
cheio de refugos.
De trote tão curto 
que dava dor 
nas costelas. 
De certa vez, 
caímos do burro. 
Meu pai e eu. 
Eu e meu pai. 
Embolados. 
Joelhos esfolados 
no pedregulho. 
Levamos 
bons coices. 
Meu pai e eu. 
Os dois
nunca subimos 
na vida.



Paul Klee, Castelo e Sol
Paul Klee, Castelo e Sol (1928)


-----------------------------
De Pelo Corpo (2002)
-----------------------------


A CIDADE NO CORPO

A cidade perfura
o corpo
até a medula.
Contamina os ossos
com seus crimes.
Bica o fígado,
pesa sobre os rins.
Imprime seu labirinto de cinzas
na árvore dos pulmões.
A cidade finca raízes
no espaço das clavículas.
Esta cidade: minha cela.
Habita em mim
sem que eu habite nela.

Paul Klee, Jardim sob a Água (1939)
Paul Klee, Jardim sob a Água (1939)

 


-------------------------------
De Mundo Mudo (2003)
-------------------------------


VISITA

Que ela chegue
sem clarins ou trombetas,
entre como facho de luz
pelas gretas da janela
e atravesse o quarto
na sua claridade.

Que ela chegue
inesperada,
como a chuva
na tarde calorenta
e faça subir o odor
de poeira molhada.

Que ela chegue
e se deite ao meu lado,
sem que a perceba.
Que me lave
com água de fonte
e me cubra
com o bálsamo branco
do silêncio.



OUTRA AURORA

Virá
virá a aurora.
                 Não mais para mim.
O sereno se condensa
em gotas de água.
O besouro inicia
a lenta travessia do canteiro.
Alguém coa o primeiro café.
                 Toda crispação do corpo chega ao fim.
Virá,
virá a aurora.
                 Não mais para mim.




Paul Klee, Mulher com Vestido de Camponesa (1940)
Paul Klee, Mulher com Vestido de Camponesa (1940)

 


-----------------------------------------
De O Homem Inacabado (2010)
-----------------------------------------



RESPOSTA

Na infância, o que se grava na carne permanece.
O sentimento de humilhação por se sentir
                                            torto
                                            fraco
                                            desastrado
                                            quatro-olhos.

Aprende-se a viver inacabado,
a esconder, constrangido, o corpo
nas penumbras.

Como querer que o homem velho,
com sua parca energia já gasta,
mude o registro consolidado?
Como querer que ande horas sob o sol
e faça exercícios vigorosos
como se fora um ginasta?



VIDA MINÚSCULA

para quem nasceu destinado
à terra
à enxada
às tarefas
às lidas com o gado
                             a descoberta da língua,
                             para além do uso ordinário,
                             e dos livros
traz um veneno
que o aparta dos seus

                             extravia-se
                             vive-se à margem
                             deseja sem saber o quê

tateia em um mundo
que sempre lhe será estranho




O ASFALTO, ENFIM

Se toda morte é descida,
a morte mais dolorida
é aquela com o corpo
varado de balas
                  debruçado
sobre o carrinho de construção
que desce as valas da favela.

Morte de cabeça para baixo
como deveria ter sido a vida
                                inteira
do moleque teimoso
que à força da bala
                        quis levantá-la do chão.


 

poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2014




Donizete Galvão
•  Azul Navalha
    Edições Excelsior, São Paulo, 1988    
•  As Faces do Rio
   
Edições Água Viva, São Paulo, 1990
•  Do Silêncio da Pedra
   
Arte Pau-Brasil, São Paulo, 1996    
•  A Carne e o Tempo
   
Nankin, São Paulo, 1997
•  Ruminações
   
Nankin, São Paulo, 1999    
•  Pelo Corpo
- com Ronald Polito
   
Alpharrabio, Santo André, 2002
•  Mundo Mudo
   
Nankin, São Paulo, 1996    
•  O Homem Inacabado
   
Portal Editora, São Paulo, 2010

______________
* Carlos Drummond de Andrade, "Especulações em Torno da Palavra Homem",
  in A Vida Passada a Limpo (1959)
______________
Todas as imagens são pinturas de Paul Klee (1879-1940), suíço naturalizado alemão. A escolha desse pintor é também uma homenagem a Donizete Galvão, que revelou num poema, "Quarteto em K" (de A Carne e o Tempo, 1997), sua admiração aos artistas plásticos Wassily Kandinsky, Paul Klee, Yves Klein e Anish Kapoor.