Número 349 - Ano 14

São Paulo, quarta-feira, 16 de março de 2016

poesia.net header

«Sou poesia. Não sei me traduzir...» (Dante Milano) *

facebook 

Iara Maria Carvalho
Iara Maria Carvalho



Amigas e amigos,


Não faço nenhuma questão de ocultar minha satisfação quando este boletim tem a oportunidade de apresentar um poeta proveniente de uma região pela qual a grande mídia não revela interesse.

A alegria é ainda maior quando se trata de uma poeta, no feminino, e jovem. Isso traz a certeza de que, apesar de todos os ventos contrários, a poesia resiste e dá sinais de constante renovação.

•o•

A poeta em foco nesta edição chama-se Iara Maria Carvalho. Nascida em 1980 na cidade de Currais Novos-RN, Iara é graduada em letras e mestra em estudos da linguagem pela UFRN. Ativista cultural, foi uma das fundadoras do grupo Casarão de Poesia em sua cidade e hoje faz parte do coletivo Novos Potiguares.

Como poeta, Iara participou de várias antologias coletivas, resultantes de premiações. Sua estreia em livro-solo deu-se em 2011 com a coletânea Milagreira. Os poemas da pequena seleção ao lado vêm de seu segundo livro, Saraivada, publicado em 2015.

•o•

Não conheço o livro de estreia de Iara Maria Carvalho. Portanto, não sei dizer que tipo de evolução Saraivada, que tenho em mãos, representa em relação ao anterior. Não importa. O certo é que Saraivada contém um bom punhado de poemas luminosos que podem ensejar à autora uma auspiciosa trajetória no mundo da poesia. Desse livro pincei os seis poemas ao lado.

“Alegria da palavra é doer”. Com essa afirmação, Iara arremata o texto “E gemer”, um dos primeiros da coletânea. Nele a autora mostra uma das facetas de sua escrita, na qual se nota uma especial inclinação para a metapoesia. Iara revela extrair certo prazer na luta com as palavras: “O verbo me rangeu os dentes, / gostei”. Que dizer? Talvez aí se encaixe a velha lição drummondiana. Não há como encontrar poesia se o poeta mostrar-se acovardado diante do ranger de dentes das palavras. A autora currais-novense, ao que parece, não teme “a luta mais vã”.

•o•

“Saraivada”, poema que dá título ao volume, é mais um metapoema. Nele o poeta, mais uma vez, é convidado à luta. Agora, o oponente não é o verbo ameaçador, rangendo os dentes. Pior: é o silêncio. Por isso, o texto recomenda: “desfira / um golpe / misericordioso / no corpo sem carne / do silêncio. // e com o sangue escorrido, / escreva um livro”. O poema, portanto, resulta das entranhas do silêncio”.

O poema “Desfeita” entra, com ironia, no universo feminino. Parece uma resposta a algum desafeto, talvez amoroso. A narradora corta tudo, menos os pulsos, fazendo uma desfeita ao adversário. Em catorze palavras, está contada — ou sugerida, quem quiser que imagine o resto — uma história de desavenças e desencontros.

•o•

Em “Roleta Russa”, vem descrição trágica de uma brincadeira com o “tambor da morte” e loteria sinistra, probabilística: “uma em seis”. Sim, há uma em seis chances de haver uma bala no caminho do cão e do gatilho. “Vermelho denso” na parede.

Outra cena da vida é mostrada em “Uma Lagartixa Louca”, uma peça que parece conter traços autobiográficos. O tempo passa e uma poeira (de construção) persistente “foi levando os meus trinta / anos pra debaixo do tapete colorido”. E lagartixa ali: “uma cárie a menos. / um sonho a menos. / um pai a menos.” Poeira, lagartixa, sufoco. O narrador escapa pela porta do delírio: “desengaiolo os lírios do meu cérebro de cimento / e deliro”.

•o•

O último poema da seleção é um texto “publicitário” — “Out-dor”. Atente para o detalhe: não é erro de digitação. Trata-se de uma dor que deve ser colocada para fora, publicamente, em voz alta.

Armada com fartos recursos poéticos, Iara Maria Carvalho oferece em seu livro uma instigante saraivada lírica.

Um abraço, e até a próxima.

Carlos Machado



•o•


Visite o poesia.net no Facebook:

facebook


•o•



Saraivada lírica

Iara Maria Carvalho


 
 
Eduardo Lima - O passeio
Eduardo Lima, artista baiano, O Passeio



E GEMER

era uma armadilha,
nem pensei.

o verbo me rangeu os dentes,
gostei.

alegria da palavra é doer.




Eduardo Lima - A colheita do umbu
Eduardo Lima, A colheita do umbu



SARAIVADA

apresso o passo,
que lá vem o silêncio.

corra:
ele consome
suas melhores preces.

voar é grande
— então voe.

exploda
espalhe
ecoe.

não recolha os cacos de
memória e osso
nem amacie o dorso ferido
dos campos minados.

desfira um golpe
misericordioso
no corpo sem carne
do silêncio.

e com o sangue escorrido
escreva um livro.




Eduardo Lima - Sem título
Eduardo Lima, Sem Título



DESFEITA

cortei cabelo,
unhas
e todos os carboidratos.

os meus pulsos,
porém,
ainda estão intactos.



Eduardo Lima - O contador de histórias
Eduardo Lima, O Contador de Histórias



ROLETA RUSSA

ouço o som do tambor da morte
rodopiando magnético,
tem ares de malandro, esse tambor,
é frio,
macambúzio,
lazarento.

gira o tambor com sua saia de cigana:
uma em seis, sou a bola da vez?
bate com força em minha têmpora insana
o tambor com seu gatilho
me amortece e me esgana.

cai no tapete o tambor da sorte
som que esvazia o vento
tristeza imensa no caldeirão suspenso
e na caliça da parede escorre
uma flor tão fria,
de um vermelho denso.



Eduardo Lima - A grande mãe
Eduardo Lima, A Grande Mãe



UMA LAGARTIXA LOUCA

de um lado para o outro.
a cerâmica da casa era a mesma.
a poeira, sempre a mesma poeira, era a construção
do vizinho.
o ano passou, a poeira foi levando os meus trinta
anos pra debaixo do tapete colorido.

e eu sobrevivi.

contando nos dedos cada dia.
desejando ser o último.
vá embora. ande. corra, sua lagartixa louca, acabe.

sobrevivi aos trinta anos com uma cárie a menos.
um sonho a menos.
um pai a menos.

e se é tempo de voar,
desengaiolo os lírios do meu cérebro de cimento

e deliro.



Eduardo Lima - O menino que amava o pássaro
Eduardo Lima, O Menino que Amava o Pássaro



OUT-DOR

chega um tempo
em que a vida
precisa ser em voz alta.




poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2016


Iara Maria Carvalho
   In Saraivada
   Sarau das Letras, Mossoró, 2015
_____________
* Dante Milano, "Poemas de um verso", in Obra Reunida
_____________
* Imagens: quadros de Eduardo Lima (1977), pintor baiano autodidata