Número 385 - Ano 15

São Paulo, quarta-feira, 20 de setembro de 2017

poesia.net header

«Zero igual a zero: a única evidência. As outras sempre se prestam a discussões.» (Mario Quintana)

facebook 
Rui Knopfli
Rui Knopfli



Amigas e amigos,

O poeta, jornalista e crítico literário português Rui Knopfli (1932-1997) nasceu em Moçambique, estudou em Lourenço Marques (hoje Maputo) e em Joanesburgo, África do Sul. Filho de portugueses, contava em sua ascendência com um bisavô suíço, de quem herdou o sobrenome, segundo ele mesmo, “estranho”.

Durante as lutas pela independência de Moçambique, Knopfli integrou um grupo de intelectuais que se opôs ao regime colonial. Jornalista, dirigiu o diário A Tribuna no período 1974-1975. Também, junto com João Pedro Grabato Dias (nome literário do pintor Antônio Quadros), publicou, entre 1971 e 1972, a revista de poesia Caliban. Editou ainda o caderno Letras e Artes da revista Tempo, no qual publicou traduções de numerosos poetas, a exemplo de T.S. Eliot, William Blake, Sylvia Plath, Kaváfis, Dylan Thomas, Ezra Pound, René Char e Octavio Paz.

Rui Knopfli viveu em Moçambique até os 43 anos. Em março de 1975, insatisfeito com os rumos do processo de descolonização do país, passou a viver em Londres como conselheiro de imprensa junto à embaixada de Portugal. Dedicou-se a essa atividade durante 22 anos, até a morte, em 1997. Knopfli retornou à terra natal  apenas uma vez, em 1989.

Existe até hoje uma polêmica sobre a “nacionalidade” da poesia de Rui Knopfli. Por ser filho de europeus nascido num país colonizado, alguns entendem que sua poesia não pode ser considerada moçambicana. Contudo, o próprio poeta considerava-se africano. Em seu livro de estreia, escreveu, no poema “Naturalidade”: “Não sei se o que escrevo tem a raiz de algum / pensamento europeu. / É provável... Não. É certo, / mas africano sou.”

•o•

Especificamente em poesia, Rui Knopfli publicou: O País dos Outros (1959); Reino Submarino (1962); Máquina de Areia (1964); Mangas Verdes com Sal (1969); Ilha de Próspero (1972); O Escriba Acocorado (1978); Memória Consentida – Vinte Anos de Poesia 1959-1979; O Corpo de Atena (1984); e O Monhé das Cobras (1997).

Os poemas ao lado foram extraídos do livro Antologia Poética, publicado em 2010 pela Editora UFMG, organizado por Eugénio Lisboa. A obra integra a coleção Poetas de Moçambique, dessa editora universitária mineira, que também já deu a público antologias de José Craveirinha e Luís Carlos Patraquim.

•o•

Uma curiosidade sobre a poesia de Rui Knopfli é sua leitura dos brasileiros, especialmente Manuel Bandeira e Carlos Drummond de Andrade. Em diversos poemas do luso-moçambicano é possível localizar ecos desses dois poetas. São, às vezes, referências discretas. Mas há casos, como no poema “Terra de Manuel Bandeira”, em que as citações são explícitas.

Nesse poema, publicado em 1959, o poeta diz que também gostaria de ir-se embora pra Pasárgada, como propõe a mais famosa página de Bandeira. Mas ele se sente preso à família, à cidade e às recordações pessoais. De forma bem-humorada, lembra ainda que a entrada em Pasárgada seria limitada e que seus amigos e familiares não são amigos do rei.

No poema “Ginástica Aplicada”, Rui Knopfli diz: “Meu verso cínico é minha terapêutica / e minha ginástica". Isso nos traz à mente o Carlos Drummond de Andrade de “Explicação” (Alguma Poesia, 1930): “Meu verso é minha consolação. / Meu verso é minha cachaça”.

A sombra de Drummond também está presente em “Então, Rui?”, poema no qual o autor traça um autoperfil caregado de ironia. A mesma irrisão aparece em “Posteridade?”. O poeta não acredita na consagração. “Então / meu nome começará aparecendo / nas selectas e, para tédio / de mestres e meninos, far-se-ão / edições escolares de meus livros. / Nessa altura estarei esquecido”.

•o•

Mas nem só de ironia vive o poeta. Há também momentos de reflexão sobre a própria arte de escrever poesia. É o caso do poema “Programa”, que termina com uma fórmula interessante: “Fácil é fazer difícil, / difícil fazer o fácil”. Há ainda essa declaração de lusitanidade, expressa no poema “Autorretrato”. Nele o poeta destaca uma longa lista de heranças portuguesas. Do episódico bisavô suíço, restaram-lhe apenas “um relógio de bolso antigo e um vago, estranho nome”.

Poemas como “Ginástica Aplicada”, “Então, Rui?” e “Posteridade?” fazem parte do livro Mangas Verdes com Sal, de 1969, considerado pelos críticos a obra na qual o poeta começa de fato a apresentar sua produção mais madura.

•o•

No balanço de vida traçado no poema “Derrota”, Rui Knopfli põe em primeiro plano sua “mágoa índica, doída saudade ao sol- / poente de praias na distância”. Em toada de gosto lusitano, o poeta padece a nostalgia do litoral de Moçambique. Inclui-se entre “argonautas privados de deuses e mitos” e, além de tudo, “na pátria indesejados”. E conclui, com tristeza: “Ainda que cantar seja seu modo, / não canta, chora meu canto”.

“A Casa da Areia”, o último texto da seleta ao lado, é outro poema marcado pela saudade de Moçambique. Lembra uma casa onde se reuniam parentes e amigos. A segunda estrofe, aos meus ouvidos, reverbera a “Quadrilha” de Drummond: “a Isilda casaria com o Freitas / a Ermelinda ia ficar para tia / e o Horácio dava em droga. / O Neca, o Tino e o Mando foram / à vida, cada qual para seu lado”.

Como se vê, os nomes são bem parecidos com os nossos, e também os destinos. Só faltou aparecer aí um certo J. Pinto Fernandes, com seu nome de pessoa jurídica estabelecida no ramo de secos & molhados. Um detalhe: “o Horácio dava em droga” quer dizer: fracassou, “não deu pra nada”.

•o•

Vale destacar, por fim, que Rui Manuel Correia Knopfli (este o nome completo do poeta) sentia-se completamente à vontade na questão das influências. No poema “Contrição”, incluído em Mangas Verdes com Sal, ele deixa bem claro: “Aqui se detecta Manuel Bandeira e além / Carlos Drummond de Andrade também / brasileiro”. Mais adiante, após a citação de vários poetas internacionais, escancara: “também furto em Vinicius /, Eliot, Robert Lowell, Wilfred Owen, / e Dylan Thomas”.

E a lista de autores “furtados” não para por aí. Tanto que o poeta proclama: “sou o Robin Hood dos Parnasos e das Pasárgadas”.


Um abraço, e até a próxima,
Carlos Machado




•o•

Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook




•o•





Mangas verdes com sal

• Rui Knopfli




David Martiashvili - Senhora com frutas
David Martiashvili, pintor georgiano, Senhora com frutas



TERRA DE MANUEL BANDEIRA

Também eu quisera ir-me embora
pra Pasárgada,
também eu quisera libertar-me
e viver essa vida gostosa
que se vive lá em Pasárgada
(E como seria bom, Manuel Bandeira,
fugir duma vez pra Pasárgada!).
Entanto, tudo me prende aqui
a este lugar desta cidade provinciana.
Como deixar ao abandono o olhar
luminoso dessa mulher que eu amo?
Quem responderá às inquietas
perguntas de minha filha pequena
(cabelo curto, olhos de sonho)?
Quem, no sereno da noite, para as beijar
com ternura e nos braços acalentar?
E esta vida, este sítio,
e estes homens e estes objectos?
E as coisas que amei e as que esqueci?
E os meus mortos e as doces recordações,
as conversas de café e os passeios no
entardecer fusco da cidade?
E o cinema todos os sábados, segurando
com força a mão de minha mulher?
Eles nem são amigos do rei
e a entrada lá é limitada.
Por isso é que eu não fujo
duma vez, pra Pasárgada.

    De O País dos Outros (1959)



David Martiashvili - Tbilisi antiga
David Martiashvili, Tbilisi antiga



GINÁSTICA APLICADA

Meu verso cínico é minha terapêutica
e minha ginástica. Nele me penduro
e ergo, em sua precisão de barra fixa.
Nele me exercito em pino flexível,
sílaba a sílaba, movimento controlado
de pulso, e me volteio aparatoso
na pirueta lograda, no lance bem ritmado.

Há um sorriso discreto em minha segurança.

Porém, se às vezes me estatelo, folha seca
(o verso é difícil e escorregadio), meu verso,
como de vós, ri-se de mim em ar de troça.

    De Mangas Verdes com Sal (1969)



David Martiashvili - Menina na primavera
David Martiashvili, Menina na primavera



ENTÃO, RUI?

Sobes o barranco, corpo magrote
e alguns empenos, rosto miúdo,
nariz agressivo, o olho muito agudo,
ríspido qual ave de presa.
Tua capital a teus pés,
sem que o saiba, longilínea,
alinhada, de carros pequenos
e brilhantes entre acácias de miniatura.
Coças o peito na zona do esterno
num jeito muito teu. E olhas.
Teu olhar tem a curvatura
terna e feroz duma grande-angular.
Esse perfil distante de cimento
e argamassa é toda uma geometria
decantada e gostosa molhando os quadris
deleitados no charco doce da baía.
Diacho, que perfil mais bonito, hem?
Então, Rui, que é isso,
não vais agora comover-te?

    De Mangas Verdes com Sal (1969)



David Martiashvili - Lobo do mar
David Martiashvili, Lobo do mar



POSTERIDADE

Um dia eu, que passei metade
da vida voando como passageiro,
tomarei lugar na carlinga
de um monomotor ligeiro
e subirei alto, bem alto,
até desaparecer para além
da última nuvem. Os jornais dirão:
Cansado da terra poeta
fugiu para o céu
. E não
voltarei de facto. Serei lembrado
instantes por minha família,
meus amigos, alguma mulher
que amei verdadeiramente
e meus trinta leitores. Então
meu nome começará aparecendo
nas selectas e, para tédio
de mestres e meninos, far-se-ão
edições escolares de meus livros.
Nessa altura estarei esquecido.

    De Mangas Verdes com Sal (1969)



David Martiashvili - Dia bonito
David Martiashvili, Dia bonito



PROGRAMA

Não faço o que quero
faço o que posso.
E o que posso passa
pelo passo da dificuldade.

Palavras tenho poucas,
duras, despidas estacas,
complicando a minha escolha.

Ermas e perfiladas
ergo-as ao sol na vertical
e são monótonas e dão sombra.

Com elas levanto quatro nuas
paredes, um tecto em forma
de prece. Dificilmente
construo uma casa fácil.

Fácil é fazer difícil,
difícil fazer o fácil.

    De Mangas Verdes com Sal (1969)



David Martiashvili - Garota na sacada
David Martiashvili, Garota na sacada



AUTORRETRATO

De português tenho a nostalgia lírica
de coisas passadistas, de uma infância
amortalhada entre loucos girassóis e folguedos;
a ardência árabe dos olhos, o pendor
para os extremos: da lágrima pronta
à incandescência súbita das palavras contundentes
do riso claro à angústia mais amarga.

De português, a costela macabra, a alma
enquistada de fado, resistente a todas
as ablações de ordem cultural e o saber
que o tinto, melhor que o branco,
há-de atestar a taça na ortodoxia
de certas vitualhas de consistência e paladar telúrico.

De português, o olhinho malandro, concupiscente
e plurirracial, lesto na mirada ao seio
entrevisto, à nesga de perna, à fímbria de nádega;
a resposta certeira e lépida a dardejar nos lábios,
o prazer saboroso e enternecido da má-língua.

De suíço tenho, herdados de meu bisavô,
um relógio de bolso antigo e um vago, estranho nome.

    De Mangas Verdes com Sal (1969)



David Martiashvili - Pastor
David Martiashvili, Pastor



DERROTA

Mágoa índica, doída saudade ao sol-
-poente de praias na distância, travado
na garganta o soluço à luz
crepuscular que persiste e teima
não tornar-se olvido. Sal saudade,

padrão, dura lembrança erguida
contra obturações e fissuras do tempo,
assim principia uma jornada
de longas tribulações: o que fomos
jamais seremos, evocativas sombras

que somos de grandeza envilecida,
voz asfixiada no sono entorpecente
das consciências sem remorso. Saudade,
corpos de morena canela na areia
alongados. Travo a terebintina,

doirado, sumarento mel
de dulcíssimos frutos, fermento
de orientes perdidos na rota inversa
de argonautas privados de deuses e mitos.
Cansados de tantas pátrias, de pátrias

rejeitados, na pátria indesejados,
silentes volvemos, vultos espectrais
no mar lento de negrume e escombros,
ao cais cinzento do destino original,
às exéquias do sonho em campa anónima.

Por mortalha o precário resguardo
deste discurso penosamente vencido
nas longas diuturnidades da insónia.
Ainda que cantar seja seu modo,
não canta, chora meu canto.

    De O Corpo de Atena (1984)



Sally Seatland - Beldade
David Martiashvili, Beldade



A CASA DA AREIA

Face ao mar, orgulhosa no topo do areal,
só madeira e zinco sobre pilares de cimento
ao sabor dos quatro ventos. O quintal
das traseiras sempre uma festa, frango
no churrasco, alegria nos copos. Depois

a Isilda casaria com o Freitas,
a Ermelinda ia ficar para tia
e o Horácio dava em droga.
O Neca, o Tino e o Mando foram
à vida, cada qual para seu lado.

Na velha casa virada à baía,
além do ranger da madeira
batida pelo vento e a areia
apenas ficaram a avó Carminda
e a velha cadela "Deixa-Falar".

    De O Monhé das Cobras (1997)






poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2017



Rui Knopfli
  • in Antologia Poética
  org. Eugénio Lisboa
  Editora UFMG, Belo Horizonte, 2010
______________
* Mario Quintana (1906-1994), in Caderno H (1973)
______________
* Imagens: Quadros do pintor georgiano David Martiashvili (1978-)