Número 428 - Ano 17

São Paulo, quarta-feira, 7 de agosto de 2019

poesia.net header

«Não há nunca testemunhas. Há desatentos. Curiosos, muitos.» (Carlos Drummond de Andrade) *

Compartilhe pelo WhatsApp

facebook 
Seis Poetas
Cecília Meireles; Langston Hughes; Ieda Estergilda de Abreu; Rainer Maria Rilke; Carla Andrade; Dylan Thomas



Amigas e amigos,

Na edição n. 410, há cerca de nove meses, usei um método matemático para selecionar os poetas do boletim. Com base em progressões geométricas, montei uma planilha do Excel para calcular os números dos boletins de onde foram extraídos os poemas.

Recorri agora ao mesmo artifício para organizar o presente boletim. Forneci à planilha dois números: 5 e 2,15. O primeiro corresponde ao termo inicial e o outro, à razão da progressão. Os números resultantes, fracionários, foram arredondados para inteiros.

O termo inicial, 5, corresponde a Cecília Meireles. Depois, o Excel forneceu os seguintes números: 11 (Langston Hughes); 23 (Ieda Estergilda de Abreu); 50 (Rainer Maria Rilke); 107 (Dylan Thomas); e 230 (Carla Andrade). O próximo número já seria 494, fora do alcance do boletim (esta é a edição n. 428).

A brincadeira matemática indicou seis poetas: três mulheres brasileiras e três homens estrangeiros: um estadunidense, um tcheco-austríaco e um galês.

•o•

Vamos ao boletim. Em cada edição sorteada, selecionei um poema. Como da primeira vez, serei breve nos comentários, tendo em mente que o leitor pode consultar o boletim original, indicado junto ao nome do autor.


Cecília Meireles
poesia.net n. 5 (2003)

O poema de Cecília Meireles (1901-1964), “Lamento do Oficial por seu Cavalo Morto” — que, neste caso, era o único no boletim original — oferece uma profunda reflexão sobre um aspecto da guerra. Um oficial medita sobre a morte de seu cavalo e entende que o animal morreu no lugar do dono.

O texto também pode ser visto como um anátema à guerra e ao uso da ciência e da tecnologia como armas de dominação e destruição. Vale observar que o poema apareceu originalmente no livro Mar Absoluto, de 1945. Deve, portanto, ter sido escrito sob o impacto da Segunda Guerra Mundial.


Langston Hughes
poesia.net n. 11 (2003)

“O negro fala sobre rios” está entre os poemas mais conhecidos do autor negro norte-americano Langston Hughes (1902-1967). Nele, o poeta considera a história das comunidades negras desde a antiguidade até a diáspora na América.

Num disco, Hughes conta como escreveu este poema. Aos 18 anos, ele viajava de trem para o México, onde o pai morava. O trem cruzou o rio Mississippi ao cair da tarde e ele começou a pensar sobre a escravidão e o que aquele rio representara para os negros americanos.


Ieda Estergilda de Abreu
poesia.net n. 23 (2003)

Cearense radicada em São Paulo desde os anos 1970, Ieda Estergilda de Abreu (1943-) é poeta, advogada e jornalista da área cultural. O poema “Ideário (1)” traça um levantamento de coisas que são, na perspectiva da autora, duradouras ou passageiras. Este poema foi publicado em seu quarto livro, A Véspera do Grito, de 2001.


Rainer Maria Rilke
poesia.net n. 50 (2003)

Embora celebrizado pelas suas extensas Elegias de Duíno, o poeta Rainer Maria Rilke (1875-1926) também escreveu belíssimos poemas curtos. Um deles é “A Pantera”, transcrito ao lado.

No texto, o autor retrata toda a tensão do poderoso felino, movimentando-se em círculos dentro de uma jaula. É como se houvesse, no corpo da pantera, uma enorme reserva de energia represada. A tradução é do poeta Augusto de Campos.


Dylan Thomas
poesia.net n. 107 (2005)

“Não entres nessa noite acolhedora com doçura” é o poema de maior reverberação do galês Dylan Thomas (1914-1953). O texto constitui um apelo ao pai do autor, que, doente, começou a se render. Para animá-lo, o poeta recomenda raiva e rebeldia “contra a morte da luz”. Em outras palavras, não aceite a morte com doçura.

Este texto de Dylan Thomas tem a forma de vilanela, poema formado por vários tercetos e uma quadra final, com esquema fixo de rimas e distribuição dos versos. O primeiro e o terceiro versos da primeira estrofe, que rimam entre si, vão-se repetindo, alternadamente, nas estrofes seguintes. Os dois fecham a quadra final. Além disso, em cada estrofe, o verso número 1 rima com o número 3; e todos os de número 2 mantêm a mesma rima. Confira o esquema no texto em inglês. A tradução é do poeta e acadêmico carioca Ivan Junqueira (1934-2014).

Nos EUA, Dylan Thomas tornou-se um ídolo para os poetas da chamada beat generation. Além disso, o cantor e compositor americano Robert Allen Zimmerman, Prêmio Nobel de Literatura de 2016, adotou na juventude o nome Bob Dylan em homenagem ao bardo galês.


Carla Andrade
poesia.net n. 230 (2007)

O poema “Saltimbancos” foi o escolhido no boletim n. 230, focado no livro Conjugação de Pingos de Chuva (2007), da poeta e jornalista mineiro-brasiliense Carla Andrade (Belo Horizonte, 1977).

No poema, a autora afirma que “a vida é só um picadeiro de circo”. Logo, somos todos saltimbancos, com nossas experiências e lembranças. Conjugação de Pingos de Chuva foi o livro de estreia da poeta, que já publicou uma série de outros títulos.


Um abraço, e até a próxima,
Carlos Machado




•o•

Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook


•o•

Poesia ao sabor dos números

• Cecília Meireles  • Langston Hughes 
• Ieda Estergilda de Abreu  • Rainer Maria
Rilke • Dylan Thomas  • Carla Andrade


              



Kathy Sosa - La reina huipilista
Kathy Sosa, pintora americana, A rainha do huipil [traje mexicano]



• Cecília Meireles

LAMENTO DO OFICIAL POR SEU CAVALO MORTO

Nós merecemos a morte,
porque somos humanos
e a guerra é feita pelas nossas mãos,
pela nossa cabeça embrulhada em séculos de sombra,
por nosso sangue estranho e instável, pelas ordens
que trazemos por dentro, e ficam sem explicação.

Criamos o fogo, a velocidade, a nova alquimia,
os cálculos do gesto,
embora sabendo que somos irmãos.
Temos até os átomos por cúmplices, e que pecados
de ciência, pelo mar, pelas nuvens, nos astros!
Que delírio sem Deus, nossa imaginação!

E aqui morreste! Oh, tua morte é a minha que, enganada,
recebes. Não te queixas. Não pensas. Não sabes. Indigno,
ver parar, pelo meu, teu inofensivo coração.

Animal encantado — melhor que nós todos! —
que tinhas tu com este mundo dos homens?

Aprendias a vida, plácida e pura, e entrelaçada
em carne e sonho, que os teus olhos decifravam...
Rei das planícies verdes, com rios trêmulos de relinchos...
Como vieste a morrer por um que mata seus irmãos?



Kathy Sosa - Amigas
Kathy Sosa, Amigas



• Langston Hughes

O NEGRO FALA SOBRE RIOS

Conheço rios:
Conheço rios tão antigos quanto o mundo
    [ e mais velhos que o fluxo de sangue humano
    [ nas veias humanas.

Minha alma se tornou profunda como os rios.

Banhei-me no Eufrates quando eram jovens as auroras.
Construí minha cabana junto ao Congo e ele
    [ me cantou canções de ninar.

Olhei para o Nilo e acima dele levantei as pirâmides.
Ouvi o canto do Mississippi quando Abe Lincoln
    [ desceu até New Orleans e vi seu seio
    [ lamacento tornar-se ouro, ao pôr do sol.

Conheço rios:
Antigos, cinzentos rios.

Minha alma se tornou profunda como os rios.

    Tradução: Carlos Machado



THE NEGRO SPEAKS OF RIVERS

I’ve known rivers:
I’ve known rivers ancient as the world and older
    [ than the flow of human blood
    [ in human veins.

My soul has grown deep like the rivers.

I bathed in the Euphrates when dawns were young.
I built my hut near the Congo and it lulled me to sleep.

I looked upon the Nile and raised the pyramids above it.
I heard the singing of the Mississippi when
    [ Abe Lincoln went down to New Orleans,
    [ and I’ve seen its muddy bosom turn all
    [ golden in the sunset.

I’ve known rivers:
Ancient, dusky rivers.

My soul has grown deep like the rivers.



Kathy Sosa - Little bird told me
Kathy Sosa, Um passarinho me contou



• Ieda Estergilda de Abreu

IDEÁRIO (1)

A palavra passa
o gesto fica
o carro passa
o pé fica
o foguete passa
a estrela fica
o adeus passa
a mão fica
o abraço passa
o calor fica
a guitarra passa
a música fica
a bola passa
o jogo fica
o cabelo passa
a cabeça fica
os navios passam
o mar fica
os deuses passam
o homem-deus fica.



Kathy Sosa - My Mother
Kathy Sosa, Minha mãe



• Rainer Maria Rilke

A PANTERA

    (No Jardin des Plantes, Paris)

De tanto olhar as grades seu olhar
esmoreceu e nada mais aferra.
Como se houvesse só grades na terra:
grades, apenas grades para olhar.

A onda andante e flexível do seu vulto
em círculos concêntricos decresce,
dança de força em torno a um ponto oculto
no qual um grande impulso se arrefece.

De vez em quando o fecho da pupila
se abre em silêncio. Uma imagem, então,
na tensa paz dos músculos se instila
para morrer no coração.

    Tradução: Augusto de Campos





Kathy Sosa - O huipil de Veronica
Kathy Sosa, O huipil de Veronica



• Dylan Thomas

NÃO ENTRES NESSA NOITE ACOLHEDORA COM DOÇURA

Não entres nessa noite acolhedora com doçura,
Pois a velhice deveria arder e delirar ao fim do dia;
Odeia, odeia a luz cujo esplendor já não fulgura.

Embora os sábios, ao morrer, saibam que a treva lhes perdura,
Porque suas palavras não garfaram a centelha esguia,
Eles não entram nessa noite acolhedora com doçura.

Os bons que, após o último aceno, choram pela alvura
Com que seus frágeis atos bailariam numa verde baía
Odeiam, odeiam a luz cujo esplendor já não fulgura.

Os loucos que abraçaram e louvaram o sol na etérea altura
E aprendem, tarde demais, como o afligiram em sua travessia
Não entram nessa noite acolhedora com doçura.

Os graves, em seu fim, ao ver com um olhar que os transfigura
Quanto a retina cega, qual fugaz meteoro, se alegraria,
Odeiam, odeiam a luz cujo esplendor já não fulgura.

E a ti,meu pai, te imploro agora, lá na cúpula obscura,
Que me abençoes e maldigas com a tua lágrima bravia.
Não entres nessa noite acolhedora com doçura,
Odeia, odeia a luz cujo esplendor já não fulgura.

    Tradução: Ivan Junqueira






O cantor britânico John Cale musicou o poema de Dylan Thomas


DO NOT GO GENTLE INTO THAT GOOD NIGHT

Do not go gentle into that good night,
Old age should burn and rave at close of day;
Rage, rage against the dying of the light.

Though wise men at their end know dark is right,
Because their words had forked no lightning they
Do not go gentle into that good night.

Good men, the last wave by, crying how bright
Their frail deeds might have danced in a green bay,
Rage, rage against the dying of the light.

Wild men who caught and sang the sun in flight,
And learn, too late, they grieved it on its way,
Do not go gentle into that good night.

Grave men, near death, who see with blinding sight
Blind eyes could blaze like meteors and be gay,
Rage, rage against the dying of the light.

And you, my father, there on the sad height,
Curse, bless, me now with your fierce tears, I pray.
Do not go gentle into that good night.
Rage, rage against the dying of the light.

A VOZ DO POETA
Ouça Dylan Thomas lendo o poema “Do not go gentle into that good night”






Kathy Sosa - Mujer en purpura
Kathy Sosa, Mulher em púrpura



• Carla Andrade

SALTIMBANCOS

A vida é só um picadeiro de circo
Quando notamos...

Foram-se as lâminas certeiras
dos atiradores ciganos
restaram véus de purpurinas.

Apenas as lembranças rodopiam.
Ecoam em algum lugar aqui dentro
como cambalhotas sapecas.




poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2019



• Cecília Meireles
   in The Academy of American Poets
   Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1983
• Langston Hughes (poema original)
   in The Collected Poems of Langston Hughes
   Alfred A. Knopf, New York, 1994
• Ieda Estergilda de Abreu
   in A Véspera do Grito
   Editora Com-Arte, São Paulo, 2001
• Rainer Maria Rilke
   in Coisas e Anjos de Rilke
   Augusto de Campos - tradução e ensaios
   Ed. Perspectiva, São Paulo, 2001
• Dylan Thomas
   in Poemas Reunidos
   Tradução de Ivan Junqueira
   José Olympio, 2ª ed. revista, Rio de Janeiro, 2003
• Carla Andrade
   in Conjugação de Pingos de Chuva
   LGE Editora, Brasília, 2007
_____________
* Carlos Drummond de Andrade, "Tarde de Maio", in Claro Enigma (1951)
______________
* Imagens: obras de Kathy Sosa, pintora americana