Número 430 - Ano 17

São Paulo, quarta-feira, 4 de setembro de 2019

poesia.net header

«Ri! Coração, tristíssimo palhaço.» (Cruz e Sousa) *

Compartilhe pelo WhatsApp

facebook 
Emily Dickinson
Emily Dickinson



Amigas e amigos,

Este boletim n. 430 promove um reencontro com uma intrigante poeta americana, que já passou por aqui em duas outras oportunidades: nas edições n. 306 e n. 67. Trata-se de Emily Dickinson (1830-1886), poeta oitocentista cuja obra até hoje encanta críticos e leitores no mundo inteiro.

Acredito que os dois boletins já publicados contêm um bom apanhado de informações sobre a vida e a obra de Emily Dickinson. Portanto, serei breve nesse aspecto. Vale contar que a inspiração para trazer Miss Dickinson mais uma vez a esta página veio do livro Poemas Escolhidos da autora, publicado em 2017 na Coleção Folha - Mulheres na Literatura. O trabalho de tradução e seleção dos poemas coube a Ivo Bender, escritor e dramaturgo gaúcho falecido em 2018 aos 82 anos.

•o•

Edição monolíngue, esses Poemas Escolhidos contêm apenas as versões em português. Reproduzo ao lado alguns dos textos, acompanhados dos originais. A fonte para estes últimos foi o site American Poems, que mantém uma seção chamada Emily Dickinson - The Complete Poems.

Na coletânea montada por Ivo Bender, respeitando os originais da autora americana, os poemas não têm títulos e são identificados pelo primeiro verso. No entanto, nos Estados Unidos estabeleceu-se uma catalogação da obra de Dickinson na qual os poemas — cerca de 1800 — são identificados por um número. Assim, além de adicionar os textos em inglês, adicionei também esses números. Creio que eles tornam mais fácil a identificação dos poemas, assim como a comparação das traduções com os originais.

•o•

Vamos aos poemas. O primeiro da minisseleta ao lado é o de número 656. Nele a poeta pinta, com palavras, a paisagem de outono com suas cores, ventos e chuvas. Vem a seguir o poema 1685. Para Emily Dickinson, a borboleta, embora encante os estudiosos da entomologia, é vista como uma devassa pelas pessoas mais carrancudas. Afinal, esse colorido inseto não trabalha, não tem profissão definida. Se ainda fosse uma operária, como a formiga e a abelha... Mas não, a borboleta é só beleza, e isso incomoda os “circunspectos”.

Ainda no reino dos insetos lepidópteros, Emily Dickinson, no poema 541, encontra uma borboleta rara dos pampas que exibe toda a sua graça somente ao meio-dia, e logo depois morre. (Alô, especialistas: essa borboleta existe?) É impressionante o grau de curiosidade e detalhismo da poeta, que certamente deve ter lido sobre essa extraordinária espécie de borboleta no longínquo Brasil.

•o•

O poema 1173 traz mais uma observação da natureza. Agora, ela diz que “O raio é um garfo amarelo, / Por desatentas mãos deixado cair / De mesas postas no céu”. No texto seguinte, o número 1009, um pássaro trivial, o pintassilgo, é usado para falar da fama. Observe-se como Emily Dickinson recorre com frequência a esse truque literário: fala de plantas, animais e fenômenos atmosféricos para tratar de coisas humanas. Aqui, ela conclui que o pintassilgo, ave comum e humilde, “deixa pegadas mínimas / no assoalho da fama”.

No poema 1273, o recado vai diretamente aos seres humanos. O texto recomenda cuidado na hora de varrer o cômodo, muitas vezes incômodo, da Memória. Por fim, o poema 1447 oferece mais uma descrição da natureza. O sol é um garoto que dorme em sua cama de lava e se levanta cedo para acordar o mundo e, com sa luz, vestir o dia ainda sonolento.

•o•

A vida da americana Emily Dickinson foi objeto de um filme recente, Além das Palavras (no original: A Quiet Passion), de 2016, escrito e dirigido pelo inglês Terence Davies. O papel de Emily adulta é desempenhado por Cynthia Nixon, atriz mais conhecida por encarnar o personagem Miranda Hobbes na série de TV e no filme Sex and the City. O diretor-roteirista desenvolveu um minucioso trabalho ao entremear poemas de Emily Dickinson nas mais variadas situações de sua vida. O espectador ganha, assim, a oportunidade de tomar contato com a vida e a obra da poeta.

Embora a crítica à cinebiografia Além das Palavras seja favorável, os estudiosos da vida de Emily Dickinson apontam que o cineasta Terence Davies assumiu muitas licenças poéticas sobre as relações da poeta com a família e até mesmo sobre a doença renal que causou sua morte, aos 55 anos.

De todo modo, para sustentar um longa-metragem sobre a vida de um personagem que nunca saía de casa, talvez seja quase obrigatório enveredar pelo terreno da ficção. Tudo que se sabe sobre a vida de Emily Dickinson está nas cartas que trocou com amigos e editores. Somente alguns de seus poemas foram publicados em vida. Após sua morte, a família encontrou, entre seus manuscritos, sua poesia completa: quase 1800 poemas.


Um abraço, e até a próxima,
Carlos Machado


•o•

Curta o poesia.​net no Facebook:

facebook


•o•

De volta a Miss Dickinson


• Emily Dickinson


              



Franz von Defregger - Dame mit hut
Franz von Defregger, pintor austríaco, Mulher com chapéu


656

Conhecido por “outono”,
Ostenta um matiz sanguíneo;
Por sobre a colina, uma artéria,
Veias beirando o caminho.

Nas aleias, grandes glóbulos
E — oh! — o aguaceiro colorido
(Se os ventos entornam a cisterna
E a chuva escarlate é vertida)

Respinga os chapéus e forma
Poças rubras, lá embaixo;
Vai-se, então, qual rosa em torvelinho
Sobre rodas encarnadas.


656

The name — of it — is “Autumn” —
The hue — of it — is Blood —
An Artery — upon the Hill —
A Vein — along the Road —

Great Globules — in the Alleys —
And Oh, the Shower of Stain —
When Winds — upset the Basin —
And spill the Scarlet Rain —

It sprinkles Bonnets — far below —
It gathers ruddy Pools —
Then — eddies like a Rose — away —
Upon Vermilion Wheels —




Franz von Defregger - Bildnis-einer-jungen-tirolerin
Franz von Defregger, Retrato de uma jovem tirolesa


1685

A borboleta desfruta
De bem pouca simpatia,
Embora com louvor citada
Na entomologia.

Por viajar livremente
E vestir uma bata apropriada,
Os circunspectos têm certeza
De que é uma devassa.

Mas se usasse o banal escudo
De uma ocupação trivial,
O justo endosso obteria
Para a Imortalidade.


1685

The butterfly obtains
But little sympathy
Though favorably mentioned
In Entomology —

Because he travels freely
And wears a proper coat
The circumspect are certain
That he is dissolute —

Had he the homely scutcheon
Of modest Industry
‘Twere fitter certifying
For Immortality —




Franz von Defregger - A_young_man_in_tyrolean_costume
Franz von Defregger, Jovem com traje típico tirolês (1872)


541

Certa borboleta pode ser vista
— Graciosa — nos pampas do Brasil,
Somente ao meio-dia em ponto —
Depois, sua liberdade expira.

E uma especiaria, que eclode e fenece,
À mercê de tua colheita —
Como as estrelas que conheceste à noite
E que, pela manhã, te são alheias.


541

Some such Butterfly be seen
On Brazilian Pampas —
Just at noon — no later — Sweet —
Then — the License closes —

Some such Spice — express and pass —
Subject to Your Plucking —
As the Stars — You knew last Night —
Foreigners — This Morning —




Franz von Defregger -Bauerndirndl
Franz von Defregger, Jovem camponesa (1896)


1173

O raio é um garfo amarelo,
Por desatentas mãos deixado cair
De mesas postas no céu;
A espantosa cutelaria

De mansões jamais bem abertas,
Nem tampouco bem fechadas,
É aparato das trevas
À ignorância revelado.


1173

The Lightning is a yellow Fork
From Tables in the sky
By inadvertent fingers dropt
The awful Cutlery

Of mansions never quite disclosed
And never quite concealed
The Apparatus of the Dark
To ignorance revealed.




Franz von Defregger - The.story.of.st.nicholas.jpg
Franz von Defregger, A história de São Nicolau


1009

Eu fui um pintassilgo, nada mais;
Pintassilgo, nada menos —
A pequena nota musical desprezada,
Em seu lugar a inscrevia.

Por andar tão junto ao solo,
Ninguém me procurava;
Era tão tímido que não me acusavam de nada —
Um pintassilgo deixa pegadas mínimas
No assoalho da fama.


1009

I was a Phoebe — nothing more —
A Phoebe — nothing less —
The little note that others dropt
I fitted into place —

I dwelt too low that any seek —
Too shy, that any blame —
A Phoebe makes a little print
Upon the Floors of Fame —




Franz von Defregger - Zitherspielendes.madchen
Franz von Defregger, Menina tocando cítara


1273

Ao varrer o sagrado desvão
Denominado Memória,
Escolhe uma vassoura reverente
E faz em silêncio o teu trabalho.

Será um labor de surpresas -
Além da própria identidade,
Outros interlocutores
São uma possibilidade.

Nesses domínios é nobre a poeira,
Deixa que repouse intocada -
Não tens como removê-la,
Mas ela pode silenciar-te.


1273

That sacred Closet when you sweep —
Entitled “Memory” —
Select a reverential Broom —
And do it silently.

‘Twill be a Labor of surprise —
Besides Identity
Of other Interlocutors
A probability —

August the Dust of that Domain —
Unchallenged — let it lie —
You cannot supersede itself
But it can silence you —




Franz von Defregger - Vannei-1884
Franz von Defregger, Vannei (1884)


1447

Ah, como gosta de seu leito de lava
O esforçado menino,
Que precisa levantar cedo
Para chamar o mundo
E vestir o dia sonolento.


1447

How good his Lava Bed,
To this laborious Boy —
Who must be up to call the World
And dress the sleepy Day —





poesia.​net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2019



Emily Dickinson
•   in Poemas Escolhidos
     Seleção, tradução e apresentação de Ivo Bender
     Coleção Folha. Mulheres na Literatura, v. 2
     Mediafashion, São Paulo, 2017
•   Os poemas originais em inglês são transcritos do site:
     Emily Dickinson - Complete Poems
_____________
* Cruz e Sousa, "Acrobata da Dor", in Broquéis (1893)
______________
* Imagens: obras de Franz von Defregger (1835-1921), pintor austríaco nascido na região do Tirol