Número 68

São Paulo, quarta-feira, 12 de maio de 2004

«Um poema começa com um nó na garganta.» (Robert Frost)
 


Fernando Paixão


Caros amigos,

Nascido numa aldeia portuguesa em 1955, o poeta Fernando Paixão reside em São Paulo desde os anos 60. Sua poesia, em minha opinião, é marcada pela busca de essências. Nela não se encontram ecos diretos do que ocorre agora nas ruas. O poeta arrisca
a mirada larga de quem tenta apreender, mesmo nos pequenos gestos, a ação mais duradoura, o traço daquilo que permanece. Pode-se mesmo dizer que ele tende a um lirismo de corte filosófico.

Para este boletim, selecionei poemas de três livros de Fernando Paixão: Fogo dos Rios (1989), 25 Azulejos (1994) e Poeira (2001) . Observem os títulos: ele quase sempre trabalha com elementos fundamentais: água, terra, fogo e ar. Azulejos, se alguém pensou o contrário, também não fogem à regra: são feitos de barro. E mais: seu primeiro livro, de 1980, chama-se Rosa dos Ventos.

Em Fogo dos Rios, o poeta se inspira, livremente, nos fragmentos filosóficos deixados pelo grego Heráclito de Éfeso (c.544-484 aC). Nessa revisitação poética, Fernando Paixão atinge altos momentos de concisão e sutileza, como nos poemas 95 e 109, que se completam. Uma bela discussão sobre o rosto e a máscara.

Nos 25 Azulejos, o autor decide trabalhar com minipoemas, todos de 11 versos. Daí a idéia do azulejo, objeto que tem uma forma fixa. Um exercício de contenção.

Em Poeira, o poeta volta-se para as raízes portuguesas. Há lembranças de Beselga, sua aldeia natal. E há também a reflexão maior, pessoana, sobre os destinos lusitanos. "Dói olhar o mar de uma cadeira", escreve ele. Esse verso de fato dói, pelo menos se pensarmos nos portugueses das grandes navegações. O sentimento é de uma nostalgia inumerável. As glórias dos barões assinalados reduzidas a um Adamastor corcunda e invertebrado.

Fernando Paixão é também ensaísta. Seu estudo mais recente nessa área está no livro
Narciso em Sacrifício: A Poética de Mário de Sá-Carneiro, publicado pela Ateliê Editorial (São Paulo, 2003).

Um abraço,

Carlos Machado


                     • • •

Água, terra, fogo e ar

Fernando Paixão

 

 

SENTIMENTO PORTUGUÊS

Atado ao crepúsculo deste vagamundo
vejo mãos líquidas bater na praia inteira.

Escrevem brancas palavras de um sal agudo
e triste. Dói olhar o mar de uma cadeira.

Os lábios das canoas tremulam heurísticos
em contraste a navios castos sonolentos.

Só mesmo a corcunda de Adamastor persiste
caída ao longe: sem esqueleto por dentro
nem a mover-lhe Deus
que acaso não existe
mas aparece posto neste rosto imenso.

                         De Poeira (2001)


ALEIJADINHO

Na pausa do cinzel e das ferramentas
declinas perguntas à pedra.
Teus profetas elegem o ar
conhecem o volteio dos dias
pisam
o pergaminho das parábolas.
Doze vezes a pedra humanizada
respira
o silêncio das colinas.
Tuas mãos em descanso emocionam
o tempo fixado.

                         De 25 Azulejos (1994)


FOGO DOS RIOS

49-a

Corpo: rio
de tantas margens
de onde
secretamente
se entra e se sai.


86

Alegria despertar em campos de trigo
quando os homens erguem os feixes
e levantam contra o céu o vapor das almas.
São meus irmãos
esses que põem os pés no barro
enfiam as mãos nos pântanos
e das raízes arrancam
a parte do fogo.
 

95

Tira
do rosto
a máscara:
fica
a máscara
do rosto.
109

Tira
da máscara
o rosto:
fica
o rosto
da máscara.


115

Fosse o rio
abraçaria o mar.
Fosse mar
abraçaria o ar.
Fosse ar
abraçaria o fogo.
Seria então
todo.

                         De Fogo dos Rios (1989)
 

poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2004

Fernando Paixão
• "Sentimento Português"
In Poeira
Editora 34, São Paulo, 2001
• "Aleijadinho"
In 25 Azulejos
Iluminuras, São Paulo, 1994

• "49-a", "86", "95", "109", "115"
In Fogo dos Rios
Ed. Brasiliense, São Paulo, 1989