Número 300 - Ano 12

São Paulo, quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

poesia.net header

«Não há nunca testemunhas. Há desatentos. Curiosos, muitos.» (Carlos Drummond de Andrade) *

Vinicius de Moraes (1913-1980)
Vinicius de Moraes

 

Caros amigos,

Neste 12 de dezembro de 2013, o boletim poesia.net completa seu décimo primeiro ano de circulação e — redonda coincidência! — chega ao número 300.

Durante estes onze anos, passaram por aqui centenas de poetas, artistas que, com a magia da palavra reinventada, enriquecem a breve aventura do ser humano, esse bicho da terra tão pequeno.

Ergamos todos um brinde virtual ao poesia.net !

                      •o•

Para manter o clima de aniversário, esta edição é dedicada ao carioca Vinicius de Moraes (1913-1980), que este ano completaria um século de vida. Poeta, cronista e letrista de canção popular dos mais inspirados, Vinicius é uma de nossas grandes referências culturais.

Bastaria que ele tivesse escrito, por exemplo, o poema “A Rosa de Hiroxima”, e já lhe deveríamos muito. Ou então que compusesse os seus magistrais sonetos de amor, nos quais a malícia carioca do século XX se mescla ao clássico engenho camoniano.

Ou, ainda, se tivesse composto letras do cancioneiro popular, como aquelas dos “Afro-sambas” (com Baden-Powell), a celebração hedônica de “Tarde em Itapuã” (com Toquinho) ou mesmo a icônica “Garota de Ipanema” (com Tom Jobim), uma das canções mais conhecidas em todo o mundo.

Graças à feliz combinação de letra e música, “Chega de saudade” (Jobim-Vinicius), um dos marcos iniciais da bossa-nova, é reconhecida como um dos hinos mais apreciados do cancioneiro popular brasileiro.

E o poeta Vinicius de Moraes não fez somente uma dessas coisas. Fez todas elas.

                      •o•


Esta, evidentemente, não é a primeira vez que Vinicius de Moraes se faz presente neste jornal digital. Ele já esteve aqui numa edição bem dos primórdios, a n. 12, de 2003. Esteve também na edição n. 240, de 2007. Agora ele volta, no ano de seu centenário.

Para este boletim, escolhi um punhado de poemas de Vinicius que revelam facetas do poeta não exploradas nas duas edições anteriores do poesia.net a ele dedicadas.

 Palácio Capanema
O Palácio Capanema, no Rio


O primeiro texto da pequena antologia viniciana ao lado é “Azul e Branco”, poema de talhe vanguardista escrito como uma homenagem ao prédio do Ministério da Educação (atual Palácio Gustavo Capanema), no Rio de Janeiro.

Construído entre 1937 e 1945, o edifício teve o primeiro acabamento externo em 1942. Em dezembro desse ano, o poema de Vinicius foi publicado pela primeira vez no jornal carioca A Manhã.

O prédio — projeto de Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, Affonso Reidy e Burle Marx, com base em ideias de Le Corbusier — é um marco estético mundial e referência inaugural do modernismo arquitetônico no Brasil. No poema “Azul e Branco”, Vinicius vê a construção como uma peça musical: “Massas geométricas / Em pautas de música / Plástica e silêncio / Do espaço criado”.

Na última parte, o poema desenha o edifício na página. O verso “Azul... Azul...” pode ser entendido como o céu. Mas na verdade representa as duas caixas d’água azuis localizadas no topo do prédio (veja foto). Vêm em seguida as linhas “Azul e Branco”, repetidas catorze vezes — exatamente o número de andares da obra homenageada.

E, por fim, o refrão que perpassa todo o poema: “Concha... / e cavalo-marinho”. Nesta última vez, porém, o refrão se reparte em dois versos. Aos pés do edifício, a praia; e, abaixo dela, o reino do cavalo-marinho. Vale ressaltar que, nos anos 40, havia poucas outras edificações ao redor, de modo que o mar parecia mais próximo.

O poema seguinte, “O Tempo nos Parques”, é uma reflexão sobre o modo peculiar como o tempo é percebido num ambiente de aconchego natural, como os parques. Seguem-se três sonetos, forma poética na qual Vinicius exibe grande desenvoltura. Destaque para o poeta brincalhão em “Não comerei da alface a verde pétala”. Aí, gastronomicamente incorreto, ele se rebela contra as saladas.

Deixei para o fim as deliciosas quadras de “A Última Viagem de Jayme Ovalle”. Compositor, amigo de Vinicius e Manuel Bandeira, o paraense Ovalle (1894-1955) foi uma figura interessantíssima que circulou nos meios artísticos cariocas da primeira metade do século passado. O poema de Vinicius mostra um Ovalle engraçado e original até depois de morto.

                      •o•


Vinicius é talvez nosso caso mais eloquente de escritor que trafegou com igual competência na poesia de dicção elevada e nas letras de música popular. No boletim anterior, afirmei meu ponto de vista de que esses dois tipos de criação constituem duas artes diferentes.

Creio que a própria biografia do autor de “Azul e Branco” e de “Garota de Ipanema” mostra a separação entre a poesia e o texto de canção popular. Quanto mais ele se dedica à letra de música, menos escreve poesia. Para mim, isso só confirma a diferença entre as duas artes.

                      •o•


É preciso destacar aqui um ponto fundamental associado a Vinicius de Moraes. Ao contrário de outros herdeiros de autores famosos, os do poeta carioca vêm prestando elogiável serviço à sociedade por meio do site Viniciusdemoraes.com.br.

Lá o visitante encontra, numa organização fácil e caprichada, vasta antologia dos trabalhos dele como poeta, cronista e letrista de música popular. Há também informações sobre os principais parceiros e amigos de Vinicius, além de sua biografia, fotos e tudo mais. Enfim, um site como o poeta merece. E como os brasileiros, que leem e cantam Vinicius, também merecemos.


Um abraço, e viva Vinicius.

Carlos Machado

                    




                      •o•



 

Vinicius, 100; poesia.net, 11

Vinicius de Moraes

 



Kandinsky - Harmonia Tranquila
Wassily Kandinsky (1886–1944), russo, Harmonia Tranquila




AZUL E BRANCO *

         Concha e Cavalo-Marinho
                  Mote de Pedro Nava


I

Massas geométricas
Em pautas de música
Plástica e silêncio
Do espaço criado.

Concha e cavalo-marinho.

Vênus anadiômena
Multípede e alada
Os seios azuis
Dando leite à tarde
Viu-vos Eupalinos
No espelho convexo
Da gota que o orvalho
Escorreu da noite
Nos lábios da aurora.

Concha e cavalo-marinho.

Pálpebras cerradas
Ao poder violeta
Sombras projetadas
Em mansuetude
Sublime colóquio
Da forma com a eternidade.

Concha e cavalo-marinho.


II

Na verde espessura
Do fundo do mar
Nasce a arquitetura.

Da cal das conchas
Do sumo das algas
Da vida dos polvos
Sobre tentáculos
Do amor dos pólipos
Que estratifica abóbadas
Da ávida mucosa
Das rubras anêmonas
Que argamassa peixes
Da salgada célula
De estranha substância
Que dá peso ao mar.

Concha e cavalo-marinho.

Concha e cavalo-marinho:
Os ágeis sinuosos
Que o raio de luz
Cortando transforma
Em claves de sol
E o amor do infinito
Retifica cm hastes
Antenas paralelas
Propícias à eterna
Incursão da música.

Concha e cavalo-marinho.


III

Azul... Azul...

Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco
Azul e Branco

Concha...
               e cavalo-marinho.


* Poema em louvor do edifício do Ministério da Educação.



Kandinsky - Ponto vermelho II
Wassily Kandinsky, Ponto Vermelho II (1921)




O TEMPO NOS PARQUES

O tempo nos parques é íntimo, inadiável, imparticipante, imarcescível.
Medita nas altas frondes, na última palma da palmeira
Na grande pedra intacta, o tempo nos parques.
O tempo nos parques cisma no olhar cego dos lagos
Dorme nas furnas, isola-se nos quiosques
Oculta-se no torso muscular dos fícus, o tempo nos parques.
O tempo nos parques gera o silêncio do piar do pássaros
Do passar dos passos, da cor que se move ao longo.
É alto, antigo, presciente o tempo nos parques
É incorruptível; o prenúncio de uma aragem
A agonia de uma folha, o abrir-se de uma flor
Deixam um frêmito no espaço do tempo nos parques.
O tempo nos parques envolve de redomas invisíveis
Os que se amam; eterniza os anseios, petrifica
Os gestos, anestesia os sonhos, o tempo nos parques.
Nos homens dormentes, nas pontes que fogem, na franja
Dos chorões, na cúpula azul o tempo perdura
Nos parques; e a pequenina cutia surpreende
A imobilidade anterior desse tempo no mundo
Porque imóvel, elementar, autêntico, profundo
É o tempo nos parques.



Kandinsky - Grade negra
Wassily Kandinsky, Grade Negra (1922)





SONETO DE ANIVERSÁRIO

Passem-se dias, horas, meses, anos
Amadureçam as ilusões da vida
Prossiga ela sempre dividida
Entre compensações e desenganos.

Faça-se a carne mais envilecida
Diminuam os bens, cresçam os danos
Vença o ideal de andar caminhos planos
Melhor que levar tudo de vencida.

Queira-se antes ventura que aventura
À medida que a têmpora embranquece
E fica tenra a fibra que era dura.

E eu te direi: amiga minha, esquece...
Que grande é este amor meu de criatura
Que vê envelhecer e não envelhece.

            Rio, 1942




Kandinsky - Amarelo, vermelho e azul
Wassily Kandinsky, Amarelo, Vermelho e Azul (c. 1925)





SONETO DO GATO MORTO

Um gato vivo é qualquer coisa linda
Nada existe com mais serenidade
Mesmo parado ele caminha ainda
As selvas sinuosas da saudade

De ter sido feroz. À sua vinda
Altas correntes de eletricidade
Rompem do ar as lâminas em cinza
Numa silenciosa tempestade

Por isso ele está sempre a rir de cada
Um de nós, e ao morrer perde o veludo
Fica torpe, ao avesso, opaco, torto

Acaba, é o antigato; porque nada
Nada parece mais com o fim de tudo
Que um gato morto.

            Florença, novembro, 1963

 


Kandinsky - Curva dominante
Wassily Kandinsky, Curva Dominante (1936)





A ÚLTIMA VIAGEM DE JAYME OVALLE

Ovalle não queria a Morte
Mas era dele tão querida
Que o amor da Morte foi mais forte
Que o amor do Ovalle à vida.

E foi assim que a Morte, um dia
Levou-o em bela carruagem
A viajar — ah, que alegria!
Ovalle sempre adora viagem!

Foram por montes e por vales
E tanto a Morte se aprazia
Que fosse o mundo só de Ovalles
E nunca mais ninguém morria.

A cada vez que a Morte, a sério
Com cicerônica prestança
Mostrava a Ovalle um cemitério
Ele apontava uma criança.

A Morte, em Londres e Paris
Levou-o à forca e à guilhotina
Porém em Roma, Ovalle quis
Tomar a sua canjebrina.

Mostrou-lhe a Morte as catacumbas
E suas ósseas prateleiras
Mas riu-se muito, tais zabumbas
Fazia Ovalle nas caveiras.

Mais tarde, Ovalle satisfeito
Declara à Morte, ambos de porre:
— Quero enterrar-me, que é um direito
Inalienável de quem morre!

Custou-lhe esforço sobre-humano
Chegar à última morada
De vez que a Morte, a todo pano
Queria dar uma esticada.

Diz o guardião do campo-santo
Que, noite alta, ainda se ouvia
À voz da Morte, um tanto ou quanto
Que ria, ria, ria, ria...

 


Kandinsky - Composição IX
Wassily Kandinsky, Composição IX (1936)




NÃO COMEREI DA ALFACE A VERDE PÉTALA

Não comerei da alface a verde pétala
Nem da cenoura as hóstias desbotadas
Deixarei as pastagens às manadas
E a quem mais aprouver fazer dieta.

Cajus hei de chupar, mangas-espadas
Talvez pouco elegantes para um poeta
Mas peras e maçãs, deixo-as ao esteta
Que acredita no cromo das saladas.

Não nasci ruminante como os bois
Nem como os coelhos, roedor; nasci
Omnívoro; deem-me feijão com arroz

E um bife, e um queijo forte, e parati
E eu morrerei, feliz, do coração
De ter vivido sem comer em vão.

            Los Angeles, 1947


poesia.net
www.algumapoesia.com.br
Carlos Machado, 2013




Vinicius de Moraes
•  Poesia Completa & Prosa
    Nova Aguilar, 2a. ed., Rio de Janeiro, 1986
______________
* Carlos Drummond de Andrade, "Tarde de Maio", in Claro Enigma (1951)
______________
- Todas as imagens: Pinturas de Wassily Kandinsky (1886–1944), russo